27 de agosto de 2017

Apostador maranhense ganha na loteria, mas perde o bilhete premiado

O maior sonho realizado. O maior pesadelo já tido. Tudo junto. De uma hora para outra. Um maranhense da cidade de São Luís ficou milionário da noite para o dia, mas foi só amanhecer para o pesadelo roubar a sua felicidade momentânea e ele voltar a ser o que era antes. Dono de bar e morador da periferia da capital maranhense, o apostador (que não vamos identificar em atendimento a sua exigência para contar esta história) alega que foi um dos ganhadores da QUINA milionária, do concurso 4412, que pagou mais de R$ 167,5 milhões, e cujo sorteio aconteceu na noite de 24 de junho deste ano. Ele teria sido um dos 12 ganhadores que acertaram as dezenas 06-07-13-14 e 23 e dividiram o prêmio principal, com cada um faturando R$ 11.622.069,29. Isto mesmo mais de R$ 11 milhões, dinheiro que mudaria a sua vida para sempre. Porém, aquela noite de fogueira de São João festejada como nunca virou cinza.

O apostador, que já era acostumado a ganhar pequenos prêmios, cometeu um erro que marcou a sua vida para sempre. Ele deixou o bilhete sobre um móvel  da sala, e na limpeza diária, a sua esposa jogou a aposta no lixo, e junto com ela, o passaporte para a riqueza. Em conversa com a mulher do apostador, ela diz que nunca imaginaria que aquele seria o bilhete milionário. "O meu marido vive de bar e de bicos. Este dinheiro mudaria a nossa vida", afirma ela.

O pobre milionário maranhense tentou recuperar o bilhete, mas o caminhão de coleta de lixo já havia passado, e levado embora o seu sonho de mudar de vida. A aposta em um único bilhete aconteceu em uma casa lotérica, localizada em um posto de combustível na entrada da cidade. Voltando para casa, o apostador entrou no estabelecimento para pagar uma conta de luz e aproveitou para fazer a "fezinha" no prêmio. Ele costumava jogar os mesmos números e anotava sempre tudo em um caderno. Quando viu o resultado do sorteio, festejou como nunca. Mas quando percebeu que não estava mais de posse do papel, entrou em desespero, e acionou os amigos para localizar o bilhete. O apostador diz que está tentando receber os mais de R$ 11 milhões por meio judicial, mas como a loteria é um prêmio ao portador do bilhete, dificilmente colocará a mão na bolada. Estivemos na lotérica de onde teria saído o prêmio. Lá eles se recusam a falar do assunto. E as imagens que mostrariam o sortudo fazendo a aposta já não existem mais.

Uma precaução simples poderia ter evitado o prejuízo milionário: se escrevesse o CPF na hora da aposta na lotérica, identificando a jogada, poderia receber o prêmio, mesmo sem bilhete. Agora, resta a ele, aguardar a sorte bater na porta outra vez.

Reportagem Ciro Nolasco

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O usuário é responsável pela repercusão do comentário!