7 de dezembro de 2016

Polêmica: Professor afirma que o Judiciário quer o poder no Brasil

Por Prof° Caio Hostílio

O poder judiciário brasileiro já atua como legislador e muitas vezes, como executivo, ultrapassando, com isso, suas funções constitucionais.

O culpado? Os outros poderes: Legislativo e Executivo, haja vista que sempre buscou o poder Judiciário para dá a palavra final em casos que seriam resolvidos dentro do próprio poder que gerou confusões comezinhas.

Renan Calheiros e os demais senadores foram favoráveis a uma ação inconstitucional do STF quando pediu a prisão do senador Delcídio do Amaral. E por diversas vezes buscou orientação do STF para casos que poderiam ser resolvidos dentro do próprio Senado.

A Câmara dos Deputados, por sua vez, vem buscando sempre o STF para seus imbróglios corriqueiros… O poder Judiciário passou a legislar.

Os poderes constituídos deram uma super força a Procuradoria Geral da União, que vem exercendo um poder acima do Executivo, Legislativo e Judiciário… Todos têm medo de Janot.
A Rede Globo dá total apoio a toda essa patacoada…

O ministro Marco Aurélio Mello, no alto de sua arrogância, após em liminar afastar o presidente do Senado, exigiu ontem (06) da Câmara dos Deputados que cumpra sua determinação em abrir o processo de impeachment contra o presidente Michel Temer.

Ora bolas!!! O Legislativo é um poder independente e deve seguir seu regimento, haja vista que para que se abra uma comissão de impeachment é preciso que os lideres indiquem os membros, coisa que os lideres não quiseram até hoje indicar.

“A comissão não foi instalada porque essa é uma atribuição dos líderes e eles ainda não indicaram os membros. A decisão dos líderes, pelo jeito, está tomada”, afirmou Maia.

O Brasil virou uma bagunça institucional!!! Enquanto isso, o Brasil está ardendo na crise, entre outras coisas, porque tudo virou uma balburdia.

Os poderes constituídos deixaram que se implantasse uma zorra total neste país.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O usuário é responsável pela repercusão do comentário!