9 de abril de 2015

Baixa audiência de 'Babilônia' faz Globo apelar durante comerciais

Babilônia segue em crise. A audiência em queda, com cerca de 25 pontos, e a rejeição do público conservador à trama - reação à cena do beijo lésbico nos dez primeiros minutos da novela - obrigaram os autores Gilberto Braga, Ricardo Linhares e João Ximenes Braga a alterar os rumos do folhetim das 21h. Além das propagandas mais tensas, que lembram a de seriados norte-americanos, cerca de 40 cenas foram regravadas e personagens foram redefinidos com o objetivo de alavancar o Ibope.

Alice (Sophie Charlotte) seria uma garota de programa, segundo a sinopse original. Mas o tema prostituição não se enquadraria na classificação indicativa de até 12 anos. Os criadores mudaram. Alice, agora, não entrará no mundo do sexo pago. A novela manterá o triângulo amoroso entre ela, Evandro (Cássio Gabus Mendes) e Murilo (Bruno Gagliasso). O personagem gay de Marcos Pasquim também deve levar outro rumo. De acordo com a pesquisa feita pela emissora, o público rejeita o excesso de maldade e violência da trama global.

A popularidade baixa virou até piada no Twitter no sábado passado, quando o capítulo teve a pior média de 18,4 pontos. A hashtag #dámaisquebabilônia chegou aos trending topics com comentários cômicos de internautas que faziam comparações com atrações de emissoras concorrentes. Apesar das mudanças, os autores garantem que a cena do casamento entre as personagens Teresa (Fernanda Montenegro) e Estela (Nathalia Timberg) está mantida para o dia 24 de abril.

As chamadas (propagandas) sobre a novela das nove, durante os comerciais da Globo, confirmam a baixa aceitação da trama e mostra que o público começa a abrir os olhos, para a apelação desacerbada da emissora, ao mostrar seguidos e inúmeros personagens gays, lésbicas e bissexuais, na tentativa de alavancar audiência. Temas complexos, como: Cenas de sexo, prostituição, tráfico, crimes e tramoias, são levados ao ar, sem nenhum pudor, e colocam crianças de todas as faixas etárias na frente da televisão, pois o horário é nobre, e como os tempos mudaram, as crianças de hoje, não dormem tão cedo, quanto antes. Desta vez, o tiro parece ter saído pela culatra!

Fonte: O Imparcial

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O usuário é responsável pela repercusão do comentário!