31 de março de 2015

Prefeito diz que destruição de ponte, teve motivação política

Carro trefegando na ponte um dia antes da destruição
O prefeito Paulo Roberto Sousa Veloso (PRB) lamentou o episódio ocorrido na ultima semana em São José da Mata Zona Rural de Pio XII, onde populares destruíram a ponte que dava acesso ao povoado.

Segundo Veloso, a referida ponte precisava apenas de reparo, pois vinha suportando o trafego de veículos que escoam a produção agrícola e transportam moradores da região, inclusive serve de passagens para ônibus escolar.

Paulo disse reconhecer o direito de protesto e ocupação dos manifestantes, mas condenou à cena de vandalismo provocada por eles, ao cortarem a madeira da ponte no machado e por fim joga-la abaixo. O desfecho poderia ter sido pior, não fosse à intervenção da PM-MA comandada pelo Sargento Lima, ou os “manifestantes” teriam ateado fogo ao ônibus escolar do FNDE. Antes da ação policial, os baderneiros, chegaram a tomar posse das chaves do veículo.
Viatura da PM e ônibus escolar (Foto: Antonio Filho)

O Delegado de Polícia Civil de Pio XII informou a nossa equipe, que os participantes e os mentores podem responder por dano ao patrimônio público municipal na destruição da ponte, se tivessem queimado o ônibus escolar, como ameaçaram, deveriam responder a crime ao patrimônio federal. após analisar as imagens, à autoridade policial informou que os homens podem responder por outros crimes previstos no Código Civil Brasileiro.
Manifestantes destruindo a ponte (Foto: Antonio Filho)
O secretário de Infraestrutura e Urbanismo de Pio XII Veloso Filho (Velosinho) informou que na tarde anterior a baderna, mandou avisar que o material para reforma da ponte chegaria à localidade no dia seguinte. Com a chegada do material (Madeira), os manifestantes perderam apoio popular, mas prosseguiram com a depredação do patrimônio. Com base nestas informações, o prefeito se disse vítima de perseguição política, pois a iniciativa de quebrar a ponte partiu de um grupo de adversários históricos, que não o reconhecem como gestor.
Ponte sendo derrubada a machadadas (Foto: Antonio Filho)

Paulo Veloso foi categórico ao afirmar, que esta não é a primeira vez, que sofre perseguições na região:

“Eles querem me prejudicar politicamente, pois, queriam impedir até a compra de piçarra que eu coloquei na estrada do São José da Mata, ou seja, no lugar onde eles moram... Isso é perseguição”, disse.
Ponte sendo destruída pelos manifestante em São José da Mata
O certo é que maioria dos moradores do povoado e da região, profundos conhecedores da história, não aprovaram à atitude retrograda dos organizadores da derrubada da ponte, como informou o Jornalista J. Luís, âncora (Apresentador) do Jornal “A Voz do Povo” na TV Pio XII (Afiliada Rede Meio Norte). 

Os “manifestantes” no mínimo ultrapassaram os limites do bom senso, ao danificar propositalmente à ponte, como se fossem donos da razão ou se colocassem acima da lei.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O usuário é responsável pela repercusão do comentário!