18 de fevereiro de 2014

Eduardo da Eletromil e o filho estão presos em Belém-MA

Eduardo e o filho presos no Piauí, estão a disposição da justiça do Pará
A Polícia Civil do Pará apresentou, na manhã desta segunda-feira (17), na sede da Divisão de Investigações e Operações Especiais (DIOE), os presos Eduardo Fernandes Facunde, 43 anos, e o filho dele, Eduardo Fernandes Facunde Júnior, 23, acusados de aplicar o chamado "Golpe da Compra Premiada", que teria feito, pelo menos, 10 mil vítimas em dez cidades no Estado do Pará. 

Responsáveis da empresa denominada "Eletromil", os dois foram localizados, no sábado passado, em Teresina, capital do Piauí. Eles estão com mandados de prisão preventiva expedidos pela Justiça paraense. Eduardo Facunde, o pai, é apontado como o maior fraudador do Brasil na modalidade "Compra Premiada". 

No Pará, estima-se que o golpe tenha rendido aos acusados mais de R$ 30 milhões. A esposa de Eduardo Facunde, Maria Sailene Gomes Facunde, que também está com mandado de prisão, permanece foragida. 

Os acusados são maranhenses naturais de Bacabal, onde funcionava a matriz da empresa. As investigações presididas pela DIOE tiveram início em 2012, quando centenas de vítimas procuraram a Delegacia do Consumidor, sediada na DIOE, para registrar boletim de ocorrência. "Recebemos mais de 800 denúncias só aqui na DIOE de pessoas que foram lesadas no golpe", detalha o delegado Neyvaldo Silva, diretor da DIOE. As práticas de estelionato começaram a surgir no interior do Pará, nas cidades de Castanhal, Capanema, São Miguel do Guamá, até chegar à Região Metropolitana de Belém.

A apresentação dos presos contou com as presenças da delegada Ione Coelho, diretora de Polícia Especializada, e o delegado Vanildo Costa, da DIOE, que viajou até o Piauí para dar cumprimento aos mandados de prisão. De acordo com Neyvaldo Silva, o golpe começou a ser denunciado depois que as pessoas passaram a cobrar a devolução dos valores pagos aos donos da Eletromil, que fugiram do Pará, depois que as denúncias vieram à tona. Os acusados estavam estabelecidos no Pará há mais de dez anos. "Para nós da Polícia Civil era um compromisso com a sociedade as prisões deles", ressalta Silva. Ainda, conforme o delegado, o filho foi preso porque faz parte da sociedade junto com o pai. 

Vanildo Costa conta que, na semana passada, informações deram conta de que os acusados estavam no interior do Ceará. Assim, na sexta-feira, uma equipe policial deslocou-se ao Ceará, onde ali teve informações de que os acusados haviam se deslocado até o Piauí. Os policiais interceptaram Eduardo Facunde, o pai, no momento em que ele parou em um posto de combustível, por volta de 7h30, quando seguia do interior do Maranhão para Teresina. Já, por volta de meio-dia, o filho dele foi preso, na casa da sogra, na capital piauiense. Os dois foram levados inicialmente para uma cela no GRECO (Grupo de Repressão ao Crime Organizado), da Polícia Civil do Piauí, onde a DIOE recebeu apoio do delegado Menandro da Luz. 

Agora, já no Pará, os dois permanecerão recolhidos à disposição da Justiça. Ainda, esta semana, os acusados deverão ser ouvidos em depoimento. Além do Pará, Eduardo Facunde tem mandados de prisão no Maranhão e Ceará. Conforme a delegada Ione Coelho, Eduardo Facunde tem em seu nome mais de 40 empresas espalhadas em várias cidades brasileiras, cada uma com um diferente CNPJ (Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica), mas todas com as mesmas finalidades, a Compra Premiada.

De acordo com o delegado Vanildo Costa, há informações de que Maria Sailene teria fugido para uma cidade no interior do Estado do Ceará. As buscas para localizá-la continuam. Os dois presos irão responder por estelionato, formação de quadrilha e crimes contra o consumidor. A delegada Ione Coelho ressalta que a "Compra Premiada" é uma prática proibida no Brasil pelo Banco Central, mas que muitas pessoas, principalmente no interior, não tem conhecimento. 

"Em Olho d'Água das Cunhãs-MA e região a empresa "Compra Premiada Eletromil" pertencente ao acusado, caloteou inúmeros clientes, sendo praticamente incalculável a totalidade do prejuízo, tendo em vista, que algumas vítimas não procuraram a justiça para informar os valores (Mearim Net).

Com informações da Assessoria de Comunicação da Polícia Civil do Pará
Fonte: Sérgio Mathias

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O usuário é responsável pela repercusão do comentário!