22 de dezembro de 2010

Ceersema esclarece ação do Ministério Público

Em resposta à matéria publicada na edição deste (Jornal Pequeno), no dia 5 de dezembro passado, de autoria do Ministério Público Estadual, o Centro Ecumênico de Estudos Religiosos Superiores do Estado do Maranhão (Ceersema), em respeito à opinião pública e a todos os seus discentes, e ainda como forma de repor a verdade, esclarece que:


O Ceersema é uma entidade civil sem fins lucrativos, que desenvolve atividades socioeducacionais e religiosas através do seu Curso Livre de formação para o Ensino Religioso, com suas atividades sob a égide da liberdade de crença religiosa, fundamentada nos artigos 5º. inciso VI e 19, inciso I da Constituição da República Federativa do Brasil.

Antes de tudo o Ceersema é um projeto social que visa oferecer uma educação de qualidade por um baixo custo. E que na maioria as pessoas não conhecem a forma de trabalho e se dão ao direito de criticar sem conhecer e ao menos ouvir a Instituição como foi o caso do promotor Francisco de Assis que ao ir para o Jornal, fazer afirmações levianas, sobre a natureza da existência e funcionamento do Ceersema.

São cursos provindo de um “Seminário Maior”, com ênfase na religiosidade, ministrados com base no artigo 50 da Lei de Diretrizes e Base do Ensino – LDB, faculta aos seus discentes ao término do Curso Livre, ingressar num Programa de Aproveitamento de Estudos em parceria com uma Instituição de Ensino Superior devidamente reconhecida e autorizada pelo MEC – nos termos dos Pareceres nºs. 97/1999 e 063/2004-CNE/CES-MEC, através de convênio celebrado entre essa Instituição e o Ceersema.

A respeito da afirmação de falso convênio feita pelo promotor da Comarca de Cururupu – Francisco de Assis – (sem convocar, solicitar ou intimar o Ceersema para ser ouvido), denúncias do gênero foram feitas à 4ª. Promotoria de Justiça da Comarca de Timon-MA, e após apreciar a documentação das Instituições concernentes ao convênio, pronunciou aquela Autoridade: “... que a Faesf expeça os diplomas dos alunos referente ao Edital nº. 01.SL/2009-1...” providência que não foi adotada pelo Promotor de Cururupu-MA, o qual em pronunciamento público em programa de rádio, fez suas aleivosias chegando a declinar que a sede da Faesf é em sua terra natal.

A existência do convênio celebrado entre o polo da Faesf-São Luís-MA, e o Ceersema, fundamenta-se no Edital Nº. 01.SL/2009-1, datado de 18 de novembro de 2008, assinada pela diretora geral e pelo vice-diretor de Planejamento e Pesquisa e Pós-graduação. Os discentes cumpriram todas suas obrigações pedagógicas e financeiras, das quais o Ceersema tem todas as comprovações, faltando tão somente a Faesf cumprir a sua parte que é expedição dos devidos diplomas.

A assessoria jurídica da instituição Ceersema, representada pela figura do advogado Diego Nogueira Portela, afirma a respeito do que foi veiculado nos meios de comunicação que as provas e demais documentos que comprovam a legalidade da instituição, bem como a veracidade do convênio que foi celebrado entre o Ceersema e a Faesf serão futuramente juntadas ao processo referente à ação civil pública ingressada pelo promotor de Justiça de Cururupu.

Fonte: Jornal Pequeno

Um comentário:

  1. é certo mas após os cursos os alunos ficam sem assistência da entidade(CEERSEMA)para receber o diploma de ensino religioso e fazer o aproveitamento do curso livre em pedagogia. os que pagam os certificados a parte para FTM, ficam na fila de espera por uma vaga, na instituição que irá covalidar o curso. sou aluno e acho uma falta de respeito do CEERSEMA para com os seus acadêmicos.Após 3 anos temos direito no certificado do ensino religioso porém ninguém da minha turma consegui o mesmo.

    ResponderExcluir

O usuário é responsável pela repercusão do comentário!